a borboleta

A memória dos homens
é povoada de impérios,
de duras coroas e espadas,
do rumor de altos momentos,
da melodia que a lágrima consagra,
de ruas se perdem,
de rostos que se apagam,
países que jamais pisaremos,
palavras e datas que nunca voltarão.
Eu quero guardar apenas o instante
em que leve e azul e transparente
pousaste na nudez da minha mão.
 
Rubens Jardim

Lançado em 24/04/2009

Anúncios

Tags:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: