do raio

Nem o acre sabor das uvas
nos aplaca.  Nem a chuva
 
nos olhos incendiados
devolve o que é vivido.
 
O magma que nos evapora
tange o rascunho das horas
 
sob um raio de suspense.
Nem o que é nosso nos pertence.

Salgado Maranhão

Anúncios

Tags:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: