poema

E então, pergunto, por que esta vida
de pão e horas moídas?

Por que não somente um pássaro
na inciência da tarde clara,

uma árvore verde embutida
no musgo da manhã… Por que esta vida?

Por que não uma pedra severa
que não procura, não erra, não espera?

ou então outra vida, outra vida
que não esta, de sal e lâminas finas,

que não esta, de sal sobre as feridas?

                                Renata Pallottini

Anúncios

Tags:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: