se temos que morrer

Se temos que morrer, não o seja como porcos,
Caçados e guardados em lugar infame,
Enquanto, em derredor, ferozes cães famintos
Latem, a escarnecer de nossa mísera sorte.

Se temos que morrer, que o seja nobremente,
Para que não corra à toa o precioso sangue,
E, então, as feras mesmas que desafiamos
Constrangidas serão a honrar os nossos corpos.

Ó enfrentemos, irmãos, o inimigo comum!
Mostremo-nos bravos, apesar de seu número,
Com um golpe mortal revidemos-lhes os golpes!

Que importa se aos pés as covas se escancaram?
Resistiremos, viris, à corja pusilânime,
De encontro ao muro, a agonizar, mas pelejando!

Claude McKay

Anúncios

Tags:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: