templo de vidro

Nesta sala sou vários,
de invariável fala

quanto mais me vejo,
duplos me olham e calam.

Nesta sala me concentro,
entre íntimos detalhes

quanto mais sou tantos,
mais cicatrizes e calos.

Nesta sala sou vários,
entanto íntimo sou só

quanto mais me vejo,
os olhos me consolam.

Nesta sala dos espelhos,
plena é a luz interior

quanto mais o brilho,
nela (noturno) sou amor.

Libério Neves

Anúncios

Tags:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: