Archive for the ‘João Evangelista Rodrigues’ Category

não há poesia sem delírio

09/02/2018

não há poesia sem delírio
reverbera o eco
no granito
do império em declínio

não há poesia sem delito
dilacera o corpo
o místico intestino

do verbo em queda renasce o grito

João Evangelista Rodrigues

pedra nua

01/12/2017

extrair da pedra tudo
o que pedra não for
tudo que a ela pelo tempo cego
ao seu exterior
se aderiu
por força alheia
forma e peso
volume e cor
tudo que se
pedra não for
nem areia ou cal
só de silêncio
por dentro
reste de cada palavra oca
a pele seca
a pedra nua no vazio campo de silêncio
só seu eco surdo ecoa

João Evangelista Rodrigues

fria geografia

24/11/2017

se mergulho no rio em rio
me transformo
com ele não me confundo
corpo e alma o rio mesmo
profundo ou raso me alicia

do rio me distingo

se seu nome pronuncio
afago seu coração de abismos
minha sede nunca se alivia

não há como apenas pelo nome
fixar seu canto
interromper o fluxo
de sua vasta e fria geografia

João Evangelista Rodrigues

para ter certeza

25/11/2016

para não morrer
em desterro escrevo
leio para ter certeza
de que no livro alheio
permaneço vivo

João Evangelista Rodrigues