Archive for the ‘José Saramago’ Category

receita

08/08/2016

Tome-se um poeta não cansado,
Uma nuvem de sonho e uma flor,
Três gotas de tristeza, um tom dourado,
Uma vela sangrando de pavor.
Quando a massa já ferve e se retorce
Deita-se a luz dum corpo de mulher,
Duma pitada de morte se reforce,
Que um amor de poeta assim requer.

José Saramago

arte de amar

13/06/2016

Metidos nesta pele que nos refuta,
Dois somos, o mesmo que inimigos.
Grande coisa, afinal, é o suor
(Assim já o diziam os antigos):
Sem ele, a vida não seria luta,
Nem o amor amor.

José Saramago

não me peçam razões…

25/11/2011

Não me peçam razões, que não as tenho,
Ou darei quantas queiram: bem sabemos
Que razões são palavras, todas nascem
Da mansa hipocrisia que aprendemos.

Não me peçam razões por que se entenda
A força de maré que me enche o peito,
Este estar mal no mundo e nesta lei:
Não fiz a lei e o mundo não aceito.

Não me peçam razões, ou que as desculpe,
Deste modo de amar e destruir:
Quando a noite é de mais é que amanhece
A cor de primavera que há-de vir.

José Saramago

imenso pedregal

04/01/2010

O passado é um imenso pedregal 
 que muitos gostariam de percorrer
 como se deu uma auto-estrada se tratasse,
 enquanto outros, pacientemente,
 vão de pedra em pedra,
 e as levantam,
 porque precisam de saber o que há por baixo delas.

José Saramago in “A Viagem do Elefante”