Archive for the ‘Makely Ka’ Category

roda da fortuna

27/04/2015

roda da fortuna giramundo
quem perdeu agora vai ganhar
nada do que foi e sobretudo
sei que agora o mundo vai mudar

quem perdeu a vez e ficou mudo
vai poder se manifestejar
quem ficou sem voz ou sem agudos
essa é a sua hora de cantar

essa ciranda vai e vem de banda
como fosse onde na beira do mar
essa ciranda é sonar e sonda
bate e volta pronta ela é pendular

a vida é o sumo do absurdo
tudo pode, basta duvidar
os sinais trocados num segundo
e o que era menos vem somar

do espelho d´água ao mais fundo
da escuridão à luz solar
do trabalhador ao vagabundo
e a terra gira em rota circular

Makely Ka

código aberto

11/03/2011

Sei que a vida é um código aberto
É a mediação de um conflito
Que a morte está cada vez mais perto
E que cada segundo é infinito
Beduíno cruzando um deserto
Uma prece no templo dos aflitos

Também sei que viver é perigoso
Nunca houve uma época segura
O perigo também é prazeroso
Não se pode viver é na paúra
Esse círculo é um tanto vicioso
E não sei se há antídoto ou cura

Esse lance que é dado a descoberto
Nos eleva a uma outra quadratura
Misturando a certeza com o incerto
Confundindo a razão com a loucura
Eu soletro as letras do alfabeto
E não vejo sentido na leitura

Sei que a vida é um rio caudaloso
E a navegação uma aventura
Uns vivendo com a corda no pescoço
Outros na corda bamba de pendura
Não preciso ir ao fundo desse poço
Posso imaginar sua fundura

Se o sistema é orgânico e nervoso
A origem de toda criatura
Um estado entre o sólido e o gasoso
Variando com a temperatura
O maná corre fluído e viscoso
Endurece e não perde a ternura

Uma língua falada em dialeto
Onde não fica o dito por não dito
A palavra é o próprio objeto
Como ícone, pedra, monolito
Não tem disse-me-disse é papo reto
Pra valer não precisa estar escrito

Um desenho na prancha do arquiteto
O projeto de estranhas estruturas
Não há piso, paredes e nem teto
Pé-direito de grande envergadura
Não há vigas na vida de concreto
Não há regras pra essa arquitetura

E se tudo é apenas um esboço
E o amor infinito enquanto dura
Entre inconseqüente e cauteloso
Vou levando uma vida sem usura
A tensão que antecede sempre o gozo
Será minha medida e urdidura

Makely Ka