Archive for the ‘William Butler Yeats’ Category

um aviador irlandês prevê a morte

18/03/2019

Encontrarei meu fim no meio
das nuvens de algum céu sobejo;
os que combato, eu não odeio,
também não amo os que protejo;
Kiltartan Cross é meu país,
seus pobres são a minha gente,
nada a fará mais infeliz
do que já era, ou mais contente.
Não é por lei ou por dever,
turba ou políticos, que luto,
mas pelo afã de me entreter,
a sós, nas nuvens em tumulto.
Tudo na mente foi pesado:
nada que espere ou que recorde
vale-me a pena comparado
com esta vida ou esta morte.

William Butler Yeats

ele sonha com tecidos celestiais

21/05/2018

Tivesse eu tecidos celestiais bordados,
Adornados de dourada e prateada luz,
Uns azuis, outros escuros e apagados
Da noite, da luz e da meia-luz,
Eu estenderia esses tecidos a teus pés:
Mas eu, sendo pobre, tenho apenas meus sonhos;
Estendi meus sonhos a teus pés;
Pisa macio porque pisas nos meus sonhos.

William Butler Yeats

o prazer do difícil

20/07/2015

O prazer do difícil tem secado
A seiva em minhas veias. A alegria
Espontânea se foi. O fogo esfria
No coração. Algo mantém cerceado
Meu potro, como se o divino passo
Já não lembrasse o Olimpo, a asa, o espaço,
Sob o chicote, trêmulo, prostrado,
E carregasse pedras. Diabos levem
As peças de sucesso que se escrevem
Com cinquenta montagens e cenários,
O mundo de patifes e de otários,
E a guerra cotidiana com seu gado,
Afazer de teatro, afã de gente.
Juro que antes que a aurora se apresente
Eu descubro a cancela e abro o cadeado.

William Butler Yeats