Posts Tagged ‘pq amanhã é sábado’

ulisses

06/12/2019

O mito é o nada que é tudo.
O mesmo sol que abre os céus
É um mito brilhante e mudo –
O corpo morto de Deus,
Vivo e desnudo.

Este, que aqui aportou,
Foi por não ser existindo.
Sem existir nos bastou.
Por não ter vindo foi vindo
E nos criou.

Assim a lenda se escorre
A entrar na realidade,
E a fecundá-la decorre.
Em baixo, a vida, metade
De nada, morre.

Fernando Pessoa

aventura

29/11/2019

Viaja sem qualquer bagagem:
Entre o que te salva
e o que te mata
nada substitui a aventura

Ana Hatherly

um problema de arte poética

22/11/2019

É um destino complicado: ou és poeta ou
preferes o trabalho do romancista.
Ou te entregas ao diálogo, à descrição,
à narração pausada e medida
como um instrumento rigoroso,
ou te deixas tocar pelo silêncio.

Francisco José Viegas

putrefação

15/11/2019

nos últimos tempos
ando pensando
que este país
retrocedeu
4 ou 5 décadas
e que todos os
avanços sociais
os bons sentimentos de
pessoa para com
pessoa
foram totalmente
varridos
e trocados pelas mesmas
intolerâncias
de sempre.

temos
mais do que nunca
o egoísta desejo pelo poder
o desrespeito pelos
fracos
pelos velhos
pelos empobrecidos
pelos
desamparados.

estamos trocando necessidade por
guerra
salvação por
escravidão.

desperdiçamos os
ganhos
viramos
rapidamente
menos.

temos a nossa Bomba
é o nosso medo
nossa danação
e nossa
vergonha.

agora
algo tão triste
nos domina
que
a respiração
escapa
e não conseguimos nem mesmo
chorar.

Charles Bukowski

estar

08/11/2019

Vigias desde este quarto
onde a sombra temível é a tua.

Não há silêncio aqui
mas frases que evitas ouvir.

Símbolos nos muros
narram a bela distância.

(Não deixes que morra
sem voltar a ver-te.)

Alejandra Pizarnik

lanterna surda

01/11/2019

Os ausentes sopram e a noite é densa. A noite tem a cor
das pálpebras do morto.

Toda a noite faço a noite. Toda a noite escrevo. Palavra
a palavra eu escrevo a noite.

Alejandra Pizarnik

eterno outono

25/10/2019

Estou com a idade pousada nas mãos.
Explico-me com dedicação aos berços fundos
onde cada coisa dorme o seu medo de morrer.

Há na tristeza um perigo de terminar:
o eterno outono parece belo
a quem perdeu todas as sementes.

Pergunta-se um nome e ninguém responde.
Onde fica essa ilha a que só chegamos por naufrágio?

Vasco Gato

agora

18/10/2019

É hora
de amolar a foice
e cortar o pescoço do cão.

— Não deixar que ele rosne
nos quintais
da África.

É hora
de sair do gueto/eito
senzala
e vir para a sala
— nosso lugar é junto ao Sol.

Adão Ventura

haikai agridoce (poesia iii)

11/10/2019

a flor de lótus, o mel de abelha, a borboleta exótica…
ainda que cuidemos do nosso jardim de sonhos
no vinagre dos dias haverá sol para o cravo do amanhecer?

Filinto Elísio

desassossego

04/10/2019

Escrever é o cego
na feira
faça sol ou chuva faça
entoando seu martelo
ou
a goteira a noite inteira
pingapingando
no meu cerebelo

Escrever é prelo
Eterna espera
De ver impresso
o íntimo caderno
poeira de anos
e eu ainda pensando
em ser moderno

Escrever é renegar
O superego
Escavar até chegar
ao desapego

Escrever é
grego antigregário
desassossego

Getúlio Maia